Mostra “20 Anos de Takashi Miike”, de 17/08 a 28/08

Deixe um comentário

Começa hoje na cidade de São Paulo a mostra “20 Anos de Takashi Miike”, no Centro Cultural Banco do Brasil, com a exibição de 20 obras do cineasta.

Oportunidade perfeita para quem deseja ver ou rever os filmes deste excelente diretor em cópias de 35mm (com exceção do média metragem IMPRINT, que será exibido em Beta Digital), a preços módicos.

Acessem o site da mostra e vejam a programação, não percam esta oportunidade de conferir os delírios visuais de Miike com a melhor imagem possível! Veja o site da mostra AQUI.

OBS: Dia 27 de Agosto ocorrerá a pré-estréia nacional do mais novo filme do cineasta, ICHIMEI, com exibição em 3D no Cinemark do Shopping Metrô Santa Cruz (somente esta sessão terá cobrança de ingresso convencional com a tabela de preços do local). Após a sessão, ocorrerá uma vídeo conferência via Skype com Miike.

Considerações sobre o 3º Cinema de Bordas

Deixe um comentário

Ficamos sem atualizações aqui no blog devido à falta de tempo, e um dos motivos deste sumiço nas últimas semanas foi a 3ª edição da mostra Cinema de Bordas. De fato, este foi um evento memorável. O evento cresce a cada ano em qualidade e visibilidade, e os filmes exibidos estão cada vez melhores e mais interessantes.

A festa de abertura da mostra foi ótima, com a exibição de algumas cenas do tão aguardado A NOITE DO CHUPACABRAS do capixaba Rodrigo Aragão (tive a oportunidade de conhecer o diretor, que é um cara gente fina pra caramba, e de me redimir de ter baixado MANGUE NEGRO uns tempos atrás comprando o DVD original de suas mãos, recheado de extras), e a estréia do novo curta de Joel Caetano, ESTRANHA, que possuí uma história simples mas com uma ótima sacada, excelente maquiagem e atuações inspiradas de Mariana Zani,  Kika Oliveira e Walderrama dos Santos.

Os debates desta edição foram muito divertidos, com destaque aos bem humorados bate-papos com Seu Manoelzinho, que desta vez teve o impagável A GRIPE DO FRANGO exibido para o público, e a dobradinha de Felipe M. Guerra e Petter Baiestorf, que falaram muito sobre produção de filmes independentes no Brasil, internet, pirataria e contaram alguns “causos” que levaram a platéia ao riso em vários momentos.

Tivemos também a presença de uma das maiores “estrelas” das bordas: Aldenir Coti, o Rambú. Ele estava por lá para divulgar seu mais novo filme, ROQUÍ, juntamente com o diretor do curta, o figuraça Renato Dib.

Além dos filmes já citados aqui e no último post, destaco O TORMENTO DE MATHIAS, de Sandro Debiazzi, que conta com cenas gravadas em 1992 e que foi finalizado agora em 2011, contando com algumas pessoas do elenco original, o que torna a produção muito curiosa. Com uma história criativa e bom humor, este filme fechou muito bem a mostra deste ano.

Eu e o Batata fizemos a oficina “Produzindo com Recurso Zero”, com orientação de Joel Caetano e Mariana Zani, e além de termos feito novas amizades e nos divertido bastante, gravamos o curta que vocês podem conferir no fim do post.

(PS: continuaremos a falar exclusivamente de Takashi Miike nas resenhas agora em Maio. Existe o boato de que ele estará em Setembro aqui em SP, quando soubermos mais sobre a possível vinda do mestre ao Brasil, comentaremos aqui!)

Cinema de Bordas – 3ª edição

Deixe um comentário

Começa hoje a 3ª edição da mostra Cinema de Bordas no Itaú Cultural, uma ótima oportunidade para os cinéfilos paulistas prestigiarem o trabalho de realizadores independentes brasileiros. Este ano teremos a exibição de 18 obras, entre curtas e médias, contando tanto com filmes recentes quanto com alguns mais antigos.

Na noite de abertura da mostra será apresentada uma prévia de A NOITE DO CHUPACABRAS, o tão aguardado novo filme de Rodrigo Aragão, diretor do já clássico MANGUE NEGRO (apresentado na 1ª edição da mostra, em 2009) e os novos curtas de Joel Caetano e Coffin Souza, ESTRANHA e A PAIXÃO DOS MORTOS, respectivamente; este último estrelado pela nova musa do underground nacional, Gisele Ferran.

Serão exibidos também EXTREMA UNÇÃO, novo curta de Felipe M. Guerra, e o mais recente  filme de Petter Baiestorf , O DOCE AVANÇO DA FACA. Como já é de costume, haverá palestra com os curadores Bernadette Lyra, Gelson Santana e Laura Cánepa no primeiro dia do evento, e também bate-papos com alguns dos diretores ao longo da mostra.

Destaco também na seleção os filmes ROQUÍ – O BOXEADOR DA AMAZÔNIA, de Renato Dib, estrelando Aldenir Coti, mais conhecido como “Rambo da Amazônia”, astro da série de filmes RAMBÚ, e os mais antigos MUSEU DE CERA, de Pedro Daldegan e O LOBISOMEM DA PEDRA BRANCA, de José Denísio Pereira, ambos da década de 80, que parecem muito interessantes.

Enfim, diversão garantida para quem gosta de fugir do lugar comum e aprecia o ótimo cinema independente brasileiro.

O Itaú Cultural fica situado na Av. Paulista, 149 (próximo à estação Brigadeiro do metrô). Entrada franca. Vejam a programação completa AQUI.

Mostra “Mojica 24 horas – Zé do Caixão”, Virada Cultural 2011

Deixe um comentário

O grande mestre do horror nacional, José Mojica Marins, será homenageado na Virada Cultural 2011 (que acontece em São Paulo nos dias 16 e 17/04), com a exibição ininterrupta de algumas de suas principais obras ao longo de 24 horas no Cine Windsor, situado na Av. Ipiranga, 9740.

É uma boa oportunidade de ver na telona a trilogia formada por À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA, ESTA NOITE ENCARNAREI NO TEU CADÁVER e finalizada por sua produção mais recente, ENCARNAÇÃO DO DEMÔNIO. Além da trilogia, serão exibidos 03 curtas na primeira sessão (ainda não obtive informação de quais serão as obras, quando confirmar adicionarei ao post), assim como os clássicos absolutos O DESPERTAR DA BESTA (RITUAL DOS SÁDICOS), O ESTRANHO MUNDO DE ZÉ DO CAIXÃO e DELÍRIOS DE UM ANORMAL.

Serão exibidas 14 obras no total, e além dos trabalhos realizados pelo diretor, haverá a exibição de O PROFETA DA FOME, dirigido por Maurice Capovilla e protagonizado por Mojica, no qual ele vive o papel de Ali Khan, personagem inspirado no faquir Silk, seu amigo na vida real e A ESTRANHA HOSPEDARIA DOS PRAZERES, que apesar de ter sido dirigido por Mojica, foi inicialmente creditado a Marcelo Motta, um de seus alunos na escola de cinema e interpretação, como forma de tentar alavancar a carreira cinematográfica de seu discípulo, segundo o próprio.

Claramente, a mostra não se limita a exibir filmes somente com o personagem do coveiro Zé do Caixão, mas como já ocorreu tantas outras vezes, o nome da criação mais famosa de José Mojica Marins foi usado para garantir a presença do público, que por vezes confunde criatura com criador, evidenciando a força deste mítico personagem que já faz parte da cultura popular brasileira.

Meu primeiro encontro com o Mestre!

Segue a programação da mostra:

Mojica 24 Horas – Mostra Zé do Caixão:

18h – Sessão de curtas (03 Filmes)

20h – A SINA DO AVENTUREIRO

22h – O DESPERTAR DA BESTA (RITUAL DOS SÁDICOS)

00h – À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA

02h – ESTA NOITE ENCARNAREI NO TEU CADÁVER

04h – O ESTRANHO MUNDO DE ZÉ DO CAIXÃO

06h – FINIS HOMINIS

08h – DELÍRIOS DE UM ANORMAL

10h – ENCARNAÇÃO DO DEMÔNIO

14h – INFERNO CARNAL

16h – A ESTRANHA HOSPEDARIA DOS PRAZERES

(16/04/2011: Os curtas que integram a primeira sessão são O UNIVERSO DE MOJICA MARINS, documentário de Ivan Cardoso filmado em 1978, A LASANHA ASSASSINA de Ale McHaddo, 2002 e PESADELO MACABRO, dirigido por Mojica em 1968, um dos episódios do longa TRILOGIA DE TERROR, que também conta com Ozualdo Candeias e Luís Sérgio Person na direção.)

Mostra “Satoshi Kon – O Mestre dos Sonhos”, de 25/01 a 30/01

Deixe um comentário

Satoshi Kon

Em 24 de Agosto de 2010 o mundo perdeu um dos maiores artistas da indústria de animação japonesa contemporânea, Satoshi Kon, vítima de um câncer no pâncreas aos 46 anos de idade. O visionário diretor deixou uma obra pequena em quantidade, mas imensa no que se refere à qualidade, competência e relevância artística.

Tendo dirigido apenas 04 longas e uma série de TV com 13 episódios ao longo dos últimos 12 anos, Satoshi Kon conseguiu atrair a atenção do público e da crítica, ao criar belas histórias que se valiam de tramas muito bem engendradas e inteligentes, tendo predileção por roteiros de apelo fantástico e onírico, contendo críticas à sociedade japonesa atual, com personagens complexos, dotados de fraquezas e defeitos.

Começa a partir de amanhã no Centro Cultural São Paulo a Mostra “Satoshi Kon – O Mestre dos Sonhos”, que conta com a exibição de todos os filmes do diretor e a série Paranoia Agent na íntegra, assim como o média metragem MAGNETIC ROSE, escrito por Satoshi Kon em conjunto com Katsuhiro Otomo (o gênio por trás da obra-prima AKIRA) e ROUJIN Z, no qual ele foi responsável pela animação.

Não percam a oportunidade de prestar homenagem à memória do mestre Satoshi Kon, assistindo na telona obras máximas como PAPRIKA e TOKYO GODFATHERS!

Segue abaixo a relação de filmes e suas sinopses, a programação no site do Centro Cultural São Paulo pode ser vista AQUI. Recado dado!

Mestre Satoshi (1963 - 2010)

 

PERFECT BLUE

(Pafekuto Buru, Japão, 1998, 80min)
direção: Satoshi Kon
Mimi deixou sua carreira de cantora para se tornar atriz, mas seus fervorosos fãs não gostam da mudança. Estressada e em dúvida, ela começa a ter lapsos de memória e, além disso, seus amigos começam a ser assassinados.

Perfect Blue

MILLENIUM ACTRESS

(Sennen Joyu, Japão, 2001, 87min)
direção: Satoshi Kon
Vida e carreira da atriz Chiyoko Fujiwara. O filme revela a partir de flashbacks dos filmes que estrelou o verdadeiro motivo que levou a artista a seguir carreira nos cinemas.

Millenium Actress

TOKYO GODFATHERS

(idem, Japão, 2003, 92min)
direção: Satoshi Kon
As vidas de três mendigos são transformadas para sempre quando eles encontram um bebê abandonado no lixo na véspera de Natal em Tóquio. Com o Ano Novo se aproximando, os três se unem para desvendar o mistério.

 

PAPRIKA

(Papurika, Japão, 2006, 90min)
direção: Satoshi Kon
Num futuro próximo, Dr. Tokita inventa um poderoso aparelho chamado DC-Mini, que torna possível o acesso aos sonhos das pessoas. Antes de seu uso ser sancionado pelo governo, o aparelho é roubado.

Paprika

MAGNETIC ROSE

(idem, Japão, 1995, 45min)
direção: Koji Morimoto
Curta-metragem escrito por Satoshi Kon que faz parte do longa-metragem MEMORIES. Na animação, três astronautas vão parar em uma nave abandonada no espaço que contém um mundo inteiro dentro dela, criado pelas memórias de uma mulher.

 

ROUJIN Z

(Rojin Zetto, Japão, 1991, 80min)
direção: Hiroyuki Kitakubo
A população do Japão está envelhecendo rapidamente e o governo propõe uma solução para diminuir os gastos com saúde: uma cama eletrônica que forneça ao paciente o mesmo que uma enfermeira de verdade possa oferecer. O senhor Takazawa é escolhido como cobaia, mas uma enfermeira, ao perceber seu sofrimento, tenta salvá-lo. Escrito por Katsuhiro Otomo. Satoshi Kon foi responsável pela animação.

 

PARANOIA AGENT

(idem, Japão, 2004, 120min)
direção: Satoshi Kon
Série de 13 capítulos, criada pelo diretor Satoshi Kon. Produzido pelo famoso estúdio de animação japonesa MadHouse, a série é centrada num assassino serial e no fenômeno social causado pela agressividade de seus ataques. Casa episódio é centrado em personagens diferentes e em como esses eventos influem em suas vidas.

Mostra “Todos os corpos – Parte 1”, de 12/11 a 18/11

1 Comentário

Começa amanhã a mostra “Todos os corpos” na Galeria Olido, aqui no centrão de São Paulo, paralelamente ao 18º Festival MixBrasil de Cinema da Diversidade Sexual, que também começa a ser exibido no mesmo dia.

A mostra “Todos os corpos” tem por objetivo “fazer um panorama sobre os registros do cinema a respeito do corpo” segundo a equipe da Galeria Olido. Serão exibidos filmes que contém cenas de sexo simulado (softcore) e sexo explícito. Até aí tudo beleza, isso não é nenhuma novidade neste espaço cultural, pois o Festival MixBrasil de Cinema da Diversidade Sexual já vem trazendo este tipo de tema e abordagem cinematográfica à telona neste mesmo local faz algum tempo. 

Embora a mostra seja composta predominantemente por filmes de grande apelo erótico de renomados diretores, o que me chamou mais a atenção na seleção de filmes foi a escolha do polêmico SWEET MOVIE  para integrar a grade de exibições.

SWEET MOVIE é um filme de arte de 1974 do diretor Iugoslavo Dusan Makavejev, que causou grande rebuliço em sua estréia, por conter cenas bem gráficas de Coprofilia e Emetofilia, ou seja, cenas com pessoas que se excitam ao ter contato com as fezes e urina de outras, e também tem o singelo hábito de vomitar durante seus atos sexuais, respectivamente. Quem puder assistir verá que a certa altura a protagonista do filme se abriga em um enorme galpão com uma espécie de trupe teatral, e todos se juntam à mesa para um banquete animado; a partir daí só os espectadores de estômago forte continuam assistindo à cena sem se incomodar com a catarse escatológica que se segue.

Dando uma vasculhada pela net achei a informação de que algumas das cenas enxertadas na montagem (cenas em preto e branco que mostram cadáveres em decomposição ao ar livre) são imagens reais de vítimas de um triste evento conhecido na Polônia como Massacre da Floresta de Katyn, ocorrido na década de 40, e estas cenas enfureceram a opinião pública na época do lançamento da película. Por estas e outras o filme foi proibido em muitos países por muitos anos, e continua vetado em algumas localidades. Com o advento das mídias digitais e da facilidade da livre transferência de dados via web de hoje em dia (a boa e velha pirataria), o filme já não é mais tido como um filme raro, mas continua sendo controverso.

A história do filme é interessante, vale a pena dar uma espiada, o roteiro é recheado de alegorias sobre a sociedade moderna, tem belíssimas cenas, bela fotografia e boas atuações. A meu ver, a parte mais politicamente incorreta da obra está na sequência em que Anna Planeta, uma espécie de pirata revolucionária, recebe em seu barco algumas crianças, moleques com não mais do que 12 anos de idade, e os seduz com um strip-tease enquanto eles comem alguns doces (lembrando que são atores mirins, e que ela fica completamente nua a uns 10 centímetros da cara deles).

Bem, a conclusão desse falatório todo é que se pode ter acesso ao cinema de arte, underground, extremo ou o que quer que seja, não só pela net, mas também na telona, pagando a módica quantia de R$ 01,00. É ou não é motivo para se comemorar?

Abaixo, listo algumas sugestões de filmes que serão exibidos, acompanhadas de considerações pessoais para ajudar na escolha de quem puder comparecer à mostra (convenhamos, não é todo mundo que pode se dar ao luxo de ir ao cinema às 15:00 em dias de semana), e no fim do post o link para a programação no site da Galeria Olido:

IMPÉRIO DOS SENTIDOS
(Ai no corrida, Japão, 1976, 97 min). Dir.: Nagisa Oshima. Com Eiko Matsuda, Tatsuya Fuji, Aoi Nakajima e outros.
Dois amantes se reúnem para experimentar formas de prazer que ampliem as possibilidades de amor, sem se importar com fronteiras morais ou sociais.
(nota: Espetacular filme do mestre Nagisa Oshima, com fotografia impecável, ótimo roteiro e figurino, e com um final de certa forma surpreendente para um filme tido como pornográfico, mas que na verdade, se utiliza do sexo explícito e do erotismo como veículo para representar as emoções  dos protagonistas).

SALÓ
(Salò o Le 120 giornate di Sodoma, Itália, 1975, 117 min). Dir.: Pier Paolo Pasolini. Com Paolo Bonacelli, Giorgio Cataldi, Umberto Paolo Quintavalle e outros.
Adaptação de obra do Marques de Sade, o filme mostra quatro homens poderosos enclausurados em uma mansão para viver todo o tipo de orgias e torturas com garotos e garotas, embalados por histórias narradas por prostitutas.
(nota: Tenso e cruel. Para quem gosta de torturas e sevícias de todo o tipo. Não confundir com porcarias como a franquia JOGOS MORTAIS, Pasolini tem estilo).

O VOYEUR
(L’uomo che guarda, Itália, 1994, 100 min). Dir.: Tinto Brass. Com Franco Branciaroli, Francesco Casale, Katarina Vasilissa e outros.
História de homens e mulheres que olham e são olhados, como o jovem professor universitário, sua mulher bonita e infiel, seu pai libidinoso e uma desinibida empregada doméstica.
(nota: Esse é mesmo para quem é chegado numa safadeza. Não qualquer safadeza, mas sim com a marca de Tinto Brass na direção, o mesmo diretor do aclamado CALÍGULA de 1979, com Malcolm McDowell).

SWEET MOVIE
(França, 1974, 99 min). Dir.: Dusan Makavejev. Com Carole Laure, Pierre Clémenti, Anna Prucnal e outros.
Repleto de surrealismos e escatologias, o filme conta, paralelamente, as histórias de duas mulheres: uma que deixa o marido por não gostar de sexo e se envolve com um roqueiro, e a outra que comanda um barco onde discute sexo e política.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/galeria_olido/cinema/index.php?p=6018

Mostra “Coreia, cinema explosivo”, de 05/11 a 14/11

Deixe um comentário

Começa hoje em Sampa a mostra “Coreia, cinema explosivo”, no Centro Cultural São Paulo.

Destaque para os longas PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO E… PRIMAVERA e CASA VAZIA de Kim Ki-Duk, O HOSPEDEIRO de Bong Joon-Ho e MR. VINGANÇA de Park Chan-Wook, primeira parte da trilogia do diretor sobre o tema vingança, que é seguida por OLDBOY e fechada com LADY VINGANÇA. Poderiam passar essa trilogia na íntegra…

Confiram abaixo as sinopses dos filmes que vão rolar, chupinhado do site do centro cultural no melhor estilo “ctrl+c”, para ver a programação, acessem o link no final do post:

“PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO… E PRIMAVERA”
(Bom Yeoreum Gaeul Gyeoul Geurigo, Coreia do Sul, 2003, 103min)
direção: Ki-Duk Kim – elenco: Oh Yeong-su, Ki-Duk Kim, Kim Yeong-min, Seo Jae-gyeong, Ha Yeo-jin
Um jovem vive em um templo flutuante e recebe orientação de um monge. Cada estação do ano acaba representando um estágio da vida do jovem. Porém, a chegada de uma garota e a paixão entre ambos acabam desviando o pupilo dos conselhos de seu mestre.

“O HOSPEDEIRO”
(Gwoemul, Coreia do Sul, 2006, 119min)
direção: Joon-ho Bong – elenco: Song Kang-ho, Byeon Hie-bong, Park Hae-il, Bae Du-na, Ko Ah-sung
A família de uma garota parte à sua procura depois que ela é raptada por um monstro.

“MR. VINGANÇA”
(Boksuneun naui geot, Coreia do Sul, 2002, 129min)
direção: Chan-wook Park – elenco: Kang-ho Song, Ha-kyun Shin, Doona Bae
A irmã de Ryu, um trabalhador surdo-mudo, precisa de um transplante de rim. Ele é demitido e conhece traficantes de órgãos, mas não tem dinheiro para pagar a cirurgia. Sua namorada o convence a sequestrar a filha de seu ex-patrão, mas acaba acontecendo uma tragédia que gera vingança.

“CASA VAZIA”
(Bin-jip, Coreia do Sul, 2004, 88min)
direção: Ki-Duk Kim – elenco: Lee Seung-yeon, Jae Hee Song, Gweon Hyeok-ho, Ju Jin-mo, Choi Jeong-ho
Sun-Hwa é um jovem que costuma invadir casas quando os donos estão fora. Durante a invasão acaba limpando e fazendo pequenos consertos nas residências. Tudo muda quando ele entra numa mansão sem saber que a proprietária estava lá.

“GREEN FISH”
(Chorok mulkogi, Coreia do Sul, 1997, 111min)
direção: Chang-dong Lee – elenco: Han Suk-kyu, Moon Sung-keun, Shim Hye-jin, Han Seong-kyu
Mak Dong é dispensado do exército e em seu caminho de volta para casa se envolve com uma mulher.

“VELHO AMIGO”
(Wonangsori, Coreia do Sul, 2008, cor, 78min)
direção: Chung-Ryoul Lee – elenco: Won-gyoon Choi, Sam-soon Lee
Um fazendeiro idoso vive seus últimos dias com sua esposa e um boi leal no interior da Coreia.

“SAKWA”
(Coreia do Sul, 2005, cor, 118min)
direção: Yi-kwan Kang – elenco: Jun-ho Han, Hyeok-hyeon Jeong, Ji-min
O primeiro namorado de Hyun-jung a deixou. Ela, então, decide se casar com Sang-hoon. Entretanto, após o casamento, duas visões conflitantes de amor se colidem.

“GRÃOS DE AREIA”
(Mang zhong, Coreia do Sul, 2005, cor, 109min)
direção: Lu Zhang – elenco: Lianji Liu, Bo Jin, Guangxuan Zhu
História de Cui, uma jovem mãe coreana que vive na periferia de uma cidade chinesa. Com o marido na prisão e um filho para sustentar, ela vende kimchi para trabalhadores na beira de uma estrada.

“OASIS”
(Coreia do Sul, 2002, 132min)
direção: Chang-dong Lee – elenco: Kyung-gu Sol, So-ri Moon, Nae-sang Ahn
Jong-du, um jovem recém-saído da prisão por homicídio, tenta entrar em contato com a família da vítima, mas eles não aceitam. Durante a visita, ele percebe que os familiares mantêm isolada uma jovem com paralisia cerebral e tentará se aproximar dela.

“PEPPERMINT CANDY”
(Bakha Satang, Coreia do Sul, 1999, 127min).
direção: Chang-dong Lee – elenco: Sol Kyung-gu, Moon So-ri, Kim Yeo-jin
O filme conta em flashback a história do suicida Kim Yong-ho e o que o levou a tomar essa decisão.

“O GRANDE CHEFE”
(Sik-gaek, Coreia do Sul, 2007, cor, 113min)
direção: Yun-su Jeon – elenco: Kang-woo Kim, Won-hie Lim, Ha-na Lee
Uma jovem chef abandona a profissão depois que sua participação em um concurso de um restaurante famoso termina em tragédia. Mas uma competição culinária nacional lhe oferece a chance de assumir o cargo de um ex-rival e ela embarca em uma jornada que mudará para sempre sua visão do mundo.

“SOL SECRETO”
(Miryang, Coreia do Sul, 2007, 142min)
direção: Chang-dong Lee – elenco: Do-yeon Jeon, Kang-ho Song, Yeong-jin Jo
Sin-ae muda-se com seu filho para a cidade natal de seu falecido marido. Enquanto ela tenta se estabelecer, outro acontecimento trágico muda sua vida.

“PUNHOS QUE CHORAM”
(Jumeogi Unda, Coreia do Sul, 2009, 103min)
direção: Ryoo Seung-wan – elenco: Choi Min-Sik, Ryoo Seung-Bum, Im Won-Hee, Cheon Ho-Jin
Dois homens fracassados têm a chance de se redimir por meio do esporte.

“SEM FÔLEGO”
(Ddongpari, Coreia do Sul, 2009, cor, 130min)
direção: Yang Ik-Joon – elenco: Yang Ik-Joon, Kot-bi Kim, Man-shik Jeong
O bandido Hong-Soon conhece a estudante Han Yeon-Heui, que finge ser de boa família, mas na verdade é vítima de seu pai e de seu irmão. Ambos têm problemas com o passado e com a violenta realidade do presente.

http://www.centrocultural.sp.gov.br/programacao_cinema.asp#coreia