Mostra “20 Anos de Takashi Miike”, de 17/08 a 28/08

Deixe um comentário

Começa hoje na cidade de São Paulo a mostra “20 Anos de Takashi Miike”, no Centro Cultural Banco do Brasil, com a exibição de 20 obras do cineasta.

Oportunidade perfeita para quem deseja ver ou rever os filmes deste excelente diretor em cópias de 35mm (com exceção do média metragem IMPRINT, que será exibido em Beta Digital), a preços módicos.

Acessem o site da mostra e vejam a programação, não percam esta oportunidade de conferir os delírios visuais de Miike com a melhor imagem possível! Veja o site da mostra AQUI.

OBS: Dia 27 de Agosto ocorrerá a pré-estréia nacional do mais novo filme do cineasta, ICHIMEI, com exibição em 3D no Cinemark do Shopping Metrô Santa Cruz (somente esta sessão terá cobrança de ingresso convencional com a tabela de preços do local). Após a sessão, ocorrerá uma vídeo conferência via Skype com Miike.

Mostra “Mojica 24 horas – Zé do Caixão”, Virada Cultural 2011

Deixe um comentário

O grande mestre do horror nacional, José Mojica Marins, será homenageado na Virada Cultural 2011 (que acontece em São Paulo nos dias 16 e 17/04), com a exibição ininterrupta de algumas de suas principais obras ao longo de 24 horas no Cine Windsor, situado na Av. Ipiranga, 9740.

É uma boa oportunidade de ver na telona a trilogia formada por À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA, ESTA NOITE ENCARNAREI NO TEU CADÁVER e finalizada por sua produção mais recente, ENCARNAÇÃO DO DEMÔNIO. Além da trilogia, serão exibidos 03 curtas na primeira sessão (ainda não obtive informação de quais serão as obras, quando confirmar adicionarei ao post), assim como os clássicos absolutos O DESPERTAR DA BESTA (RITUAL DOS SÁDICOS), O ESTRANHO MUNDO DE ZÉ DO CAIXÃO e DELÍRIOS DE UM ANORMAL.

Serão exibidas 14 obras no total, e além dos trabalhos realizados pelo diretor, haverá a exibição de O PROFETA DA FOME, dirigido por Maurice Capovilla e protagonizado por Mojica, no qual ele vive o papel de Ali Khan, personagem inspirado no faquir Silk, seu amigo na vida real e A ESTRANHA HOSPEDARIA DOS PRAZERES, que apesar de ter sido dirigido por Mojica, foi inicialmente creditado a Marcelo Motta, um de seus alunos na escola de cinema e interpretação, como forma de tentar alavancar a carreira cinematográfica de seu discípulo, segundo o próprio.

Claramente, a mostra não se limita a exibir filmes somente com o personagem do coveiro Zé do Caixão, mas como já ocorreu tantas outras vezes, o nome da criação mais famosa de José Mojica Marins foi usado para garantir a presença do público, que por vezes confunde criatura com criador, evidenciando a força deste mítico personagem que já faz parte da cultura popular brasileira.

Meu primeiro encontro com o Mestre!

Segue a programação da mostra:

Mojica 24 Horas – Mostra Zé do Caixão:

18h – Sessão de curtas (03 Filmes)

20h – A SINA DO AVENTUREIRO

22h – O DESPERTAR DA BESTA (RITUAL DOS SÁDICOS)

00h – À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA

02h – ESTA NOITE ENCARNAREI NO TEU CADÁVER

04h – O ESTRANHO MUNDO DE ZÉ DO CAIXÃO

06h – FINIS HOMINIS

08h – DELÍRIOS DE UM ANORMAL

10h – ENCARNAÇÃO DO DEMÔNIO

14h – INFERNO CARNAL

16h – A ESTRANHA HOSPEDARIA DOS PRAZERES

(16/04/2011: Os curtas que integram a primeira sessão são O UNIVERSO DE MOJICA MARINS, documentário de Ivan Cardoso filmado em 1978, A LASANHA ASSASSINA de Ale McHaddo, 2002 e PESADELO MACABRO, dirigido por Mojica em 1968, um dos episódios do longa TRILOGIA DE TERROR, que também conta com Ozualdo Candeias e Luís Sérgio Person na direção.)

Mostra “Satoshi Kon – O Mestre dos Sonhos”, de 25/01 a 30/01

Deixe um comentário

Satoshi Kon

Em 24 de Agosto de 2010 o mundo perdeu um dos maiores artistas da indústria de animação japonesa contemporânea, Satoshi Kon, vítima de um câncer no pâncreas aos 46 anos de idade. O visionário diretor deixou uma obra pequena em quantidade, mas imensa no que se refere à qualidade, competência e relevância artística.

Tendo dirigido apenas 04 longas e uma série de TV com 13 episódios ao longo dos últimos 12 anos, Satoshi Kon conseguiu atrair a atenção do público e da crítica, ao criar belas histórias que se valiam de tramas muito bem engendradas e inteligentes, tendo predileção por roteiros de apelo fantástico e onírico, contendo críticas à sociedade japonesa atual, com personagens complexos, dotados de fraquezas e defeitos.

Começa a partir de amanhã no Centro Cultural São Paulo a Mostra “Satoshi Kon – O Mestre dos Sonhos”, que conta com a exibição de todos os filmes do diretor e a série Paranoia Agent na íntegra, assim como o média metragem MAGNETIC ROSE, escrito por Satoshi Kon em conjunto com Katsuhiro Otomo (o gênio por trás da obra-prima AKIRA) e ROUJIN Z, no qual ele foi responsável pela animação.

Não percam a oportunidade de prestar homenagem à memória do mestre Satoshi Kon, assistindo na telona obras máximas como PAPRIKA e TOKYO GODFATHERS!

Segue abaixo a relação de filmes e suas sinopses, a programação no site do Centro Cultural São Paulo pode ser vista AQUI. Recado dado!

Mestre Satoshi (1963 - 2010)

 

PERFECT BLUE

(Pafekuto Buru, Japão, 1998, 80min)
direção: Satoshi Kon
Mimi deixou sua carreira de cantora para se tornar atriz, mas seus fervorosos fãs não gostam da mudança. Estressada e em dúvida, ela começa a ter lapsos de memória e, além disso, seus amigos começam a ser assassinados.

Perfect Blue

MILLENIUM ACTRESS

(Sennen Joyu, Japão, 2001, 87min)
direção: Satoshi Kon
Vida e carreira da atriz Chiyoko Fujiwara. O filme revela a partir de flashbacks dos filmes que estrelou o verdadeiro motivo que levou a artista a seguir carreira nos cinemas.

Millenium Actress

TOKYO GODFATHERS

(idem, Japão, 2003, 92min)
direção: Satoshi Kon
As vidas de três mendigos são transformadas para sempre quando eles encontram um bebê abandonado no lixo na véspera de Natal em Tóquio. Com o Ano Novo se aproximando, os três se unem para desvendar o mistério.

 

PAPRIKA

(Papurika, Japão, 2006, 90min)
direção: Satoshi Kon
Num futuro próximo, Dr. Tokita inventa um poderoso aparelho chamado DC-Mini, que torna possível o acesso aos sonhos das pessoas. Antes de seu uso ser sancionado pelo governo, o aparelho é roubado.

Paprika

MAGNETIC ROSE

(idem, Japão, 1995, 45min)
direção: Koji Morimoto
Curta-metragem escrito por Satoshi Kon que faz parte do longa-metragem MEMORIES. Na animação, três astronautas vão parar em uma nave abandonada no espaço que contém um mundo inteiro dentro dela, criado pelas memórias de uma mulher.

 

ROUJIN Z

(Rojin Zetto, Japão, 1991, 80min)
direção: Hiroyuki Kitakubo
A população do Japão está envelhecendo rapidamente e o governo propõe uma solução para diminuir os gastos com saúde: uma cama eletrônica que forneça ao paciente o mesmo que uma enfermeira de verdade possa oferecer. O senhor Takazawa é escolhido como cobaia, mas uma enfermeira, ao perceber seu sofrimento, tenta salvá-lo. Escrito por Katsuhiro Otomo. Satoshi Kon foi responsável pela animação.

 

PARANOIA AGENT

(idem, Japão, 2004, 120min)
direção: Satoshi Kon
Série de 13 capítulos, criada pelo diretor Satoshi Kon. Produzido pelo famoso estúdio de animação japonesa MadHouse, a série é centrada num assassino serial e no fenômeno social causado pela agressividade de seus ataques. Casa episódio é centrado em personagens diferentes e em como esses eventos influem em suas vidas.

KINATAY (Brillante Mendoza – 2009)

Deixe um comentário

KINATAY é um filme simples em vários aspectos. Não possuí planos de câmera rebuscados, muito menos simbolismos ou alegorias difíceis de compreender em suas imagens ou diálogos, tampouco um significado hermético ou pretensioso. É uma história simples, filmada de forma linear e sem frescuras. E é justamente este o grande trunfo do diretor filipino Brillante Mendoza, que possuí uma filmografia que pode ser apreciada por diferentes tipos de pessoas e públicos.

Digo isso como aficionado por cinema alternativo, especialmente os asiáticos, que sempre me chamaram muita atenção desde os tempos de moleque até hoje, justamente por sua inventividade e predisposição pela quebra de paradigmas em diversos gêneros, fugindo do lugar comum que a indústria americana insiste em impor ao restante do mundo, com seus pouco criativos e milionários blockbusters de ação e aventura, suas comédias pasteurizadas e repetitivas e suas regravações de filmes de horror que não assustam nem aluno de pré-escola.

Preferi começar o texto desta forma, pois sei que existe certa relutância por parte dos amantes do cinema extremo em aceitar (ou até mesmo assistir) obras de diretores que de fato não estejam preocupados em mostrar em seus trabalhos grandes quantidades de violência gráfica, sangue, sexo ou até mesmo apresentar roteiros surreais e imprevisíveis (embora eu mesmo tenha que admitir que já perdi a oportunidade de assistir a bons filmes por conta do preconceito que tenho para com certos gêneros, estilos e escolas cinematográficas).

Mas KINATAY é um filme que precisa ser visto. A obra coloca em foco pessoas pobres levando vidas comuns e corriqueiras, perfeitamente adaptadas ao ambiente marginal e caótico em que vivem, até que um evento brutal quebra a rotina do protagonista Peping (Coco Martin), um jovem estudante que almeja ser policial.

Recém casado e pai de um pequeno bebê, Peping vive com o dinheiro de um bico que faz como mototaxista, assim como de pequenas quantias que recebe de um grupo de criminosos, trabalhando como receptador de propina dos vendedores ambulantes da cidade de Manila, capital das Filipinas. O rapaz exerce naturalmente essa função de coletor de propina, contrastando com seu sonho de se tornar um oficial da lei, e é justamente por manter essa relação próxima com o bando criminoso que acaba sendo envolvido em um crime maior.

Certo dia Peping é chamado para ajudar num “serviço”, porém não se trata de nada simples como ele costumava fazer. Ainda sem saber o que irá acontecer, e imaginando que esta é uma boa oportunidade para se aproximar do chefe, é levado a um night club, onde acaba por raptar uma prostituta que possuí uma dívida de drogas, em conjunto com outros homens do grupo.

Peping

De início o protagonista fica aflito com a situação, mas aos poucos esta aflição é transformada em desespero, pois Peping sente que algo pior pode acontecer à prostituta. Em meio à truculência de seus companheiros para com a refém, e ao sentimento de arrependimento por ter aceitado o trabalho, o diretor Brillante Mendoza vai construindo de forma lenta, astuta e impetuosa uma atmosfera de desconforto e desolamento, utilizando-se de cenas escuras e claustrofóbicas filmadas dentro da van em que o grupo se encontra, nas quais emula a visão do próprio protagonista com os movimentos de câmera. Juntamente a estas tomadas, Mendoza aproxima o telespectador dos sentimentos do personagem magistralmente interpretado pelo talentoso Coco Martin (um dos protagonistas de SERBIS, outro belo filme deste diretor), com close-ups incisivos nas expressões do ator.

A violência só explode na tela quando o grupo, agora escondido em uma pequena casa de madeira em um local afastado, recebe ordens do que fazer com a refém. Creio que todos imaginam que não é nada muito amigável, e que Peping não tem para onde fugir.

O peso das escolhas que o protagonista fez até então vai recair sobre seus ombros, e sua consciência vai lhe cobrar um preço alto…

A cinematografia filipina é muito rica e interessante, e uma prova disso é que existem alguns cineastas se destacando atualmente no circuito independente, assim como em festivais mais prestigiados e entre um público mais cult e apreciador de cinema de arte e alternativo. Meu contato inicial com as obras de diretores como Lav Diaz (diretor de EVOLUÇÃO DE UMA FAMÍLIA FILIPINA, filme de 10h e 40min de duração, que levou 10 anos para ser feito), Raya Martin (de INDEPENDÊNCIA realizado em 2009) e o próprio Brillante Mendoza se deu este ano mesmo (que vergonha…) por meio da mostra “Descobrindo o Cinema Filipino” ocorrida entre os dias 09 e 27 de Junho no Centro Cultural Banco do Brasil, aqui em Sampa. A seleção de filmes traçou um panorama não só das novas produções do país, como também fez um resgate de películas mais antigas, já consagradas pelo público e a crítica filipinos, e que foram influentes para as carreiras dos cineastas que fazem cinema por lá hoje em dia. Dentre os diretores mais antigos presentes na mostra, podemos destacar o trabalho de Lino Brocka (MANILA NAS GARRAS DE NEON de 1975), Ishmael Bernal (do ótimo MANILA BY NIGHT de 1980) e Kidlat Tahimik, que ganhou o Prêmio Da Crítica no Festival de Berlin de 1977 com o filme PESADELO PERFUMADO.

Falando em premiações importantes, KINATAY rendeu a Brillante Mendoza o Prêmio de melhor diretor no Festival de Cannes de 2009.

Não devemos esquecer também que o cinema trash feito por lá é muito numeroso e respeitado pelos adoradores de podridão cinematográfica, e já rendeu pérolas máximas como o inacreditavelmente estranho ZUMA de Jun Raquiza, e a comédia de ação FOR YOUR HEIGHT ONLY de Eddie Nicart, ambos da década de 80 (quem se interessar, pode ler um apanhado geral sobre a produção trash das Filipinas AQUI).

Diretor e elenco na premiação de Cannes, em 2009

 

Mostra “Coreia, cinema explosivo”, de 05/11 a 14/11

Deixe um comentário

Começa hoje em Sampa a mostra “Coreia, cinema explosivo”, no Centro Cultural São Paulo.

Destaque para os longas PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO E… PRIMAVERA e CASA VAZIA de Kim Ki-Duk, O HOSPEDEIRO de Bong Joon-Ho e MR. VINGANÇA de Park Chan-Wook, primeira parte da trilogia do diretor sobre o tema vingança, que é seguida por OLDBOY e fechada com LADY VINGANÇA. Poderiam passar essa trilogia na íntegra…

Confiram abaixo as sinopses dos filmes que vão rolar, chupinhado do site do centro cultural no melhor estilo “ctrl+c”, para ver a programação, acessem o link no final do post:

“PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO… E PRIMAVERA”
(Bom Yeoreum Gaeul Gyeoul Geurigo, Coreia do Sul, 2003, 103min)
direção: Ki-Duk Kim – elenco: Oh Yeong-su, Ki-Duk Kim, Kim Yeong-min, Seo Jae-gyeong, Ha Yeo-jin
Um jovem vive em um templo flutuante e recebe orientação de um monge. Cada estação do ano acaba representando um estágio da vida do jovem. Porém, a chegada de uma garota e a paixão entre ambos acabam desviando o pupilo dos conselhos de seu mestre.

“O HOSPEDEIRO”
(Gwoemul, Coreia do Sul, 2006, 119min)
direção: Joon-ho Bong – elenco: Song Kang-ho, Byeon Hie-bong, Park Hae-il, Bae Du-na, Ko Ah-sung
A família de uma garota parte à sua procura depois que ela é raptada por um monstro.

“MR. VINGANÇA”
(Boksuneun naui geot, Coreia do Sul, 2002, 129min)
direção: Chan-wook Park – elenco: Kang-ho Song, Ha-kyun Shin, Doona Bae
A irmã de Ryu, um trabalhador surdo-mudo, precisa de um transplante de rim. Ele é demitido e conhece traficantes de órgãos, mas não tem dinheiro para pagar a cirurgia. Sua namorada o convence a sequestrar a filha de seu ex-patrão, mas acaba acontecendo uma tragédia que gera vingança.

“CASA VAZIA”
(Bin-jip, Coreia do Sul, 2004, 88min)
direção: Ki-Duk Kim – elenco: Lee Seung-yeon, Jae Hee Song, Gweon Hyeok-ho, Ju Jin-mo, Choi Jeong-ho
Sun-Hwa é um jovem que costuma invadir casas quando os donos estão fora. Durante a invasão acaba limpando e fazendo pequenos consertos nas residências. Tudo muda quando ele entra numa mansão sem saber que a proprietária estava lá.

“GREEN FISH”
(Chorok mulkogi, Coreia do Sul, 1997, 111min)
direção: Chang-dong Lee – elenco: Han Suk-kyu, Moon Sung-keun, Shim Hye-jin, Han Seong-kyu
Mak Dong é dispensado do exército e em seu caminho de volta para casa se envolve com uma mulher.

“VELHO AMIGO”
(Wonangsori, Coreia do Sul, 2008, cor, 78min)
direção: Chung-Ryoul Lee – elenco: Won-gyoon Choi, Sam-soon Lee
Um fazendeiro idoso vive seus últimos dias com sua esposa e um boi leal no interior da Coreia.

“SAKWA”
(Coreia do Sul, 2005, cor, 118min)
direção: Yi-kwan Kang – elenco: Jun-ho Han, Hyeok-hyeon Jeong, Ji-min
O primeiro namorado de Hyun-jung a deixou. Ela, então, decide se casar com Sang-hoon. Entretanto, após o casamento, duas visões conflitantes de amor se colidem.

“GRÃOS DE AREIA”
(Mang zhong, Coreia do Sul, 2005, cor, 109min)
direção: Lu Zhang – elenco: Lianji Liu, Bo Jin, Guangxuan Zhu
História de Cui, uma jovem mãe coreana que vive na periferia de uma cidade chinesa. Com o marido na prisão e um filho para sustentar, ela vende kimchi para trabalhadores na beira de uma estrada.

“OASIS”
(Coreia do Sul, 2002, 132min)
direção: Chang-dong Lee – elenco: Kyung-gu Sol, So-ri Moon, Nae-sang Ahn
Jong-du, um jovem recém-saído da prisão por homicídio, tenta entrar em contato com a família da vítima, mas eles não aceitam. Durante a visita, ele percebe que os familiares mantêm isolada uma jovem com paralisia cerebral e tentará se aproximar dela.

“PEPPERMINT CANDY”
(Bakha Satang, Coreia do Sul, 1999, 127min).
direção: Chang-dong Lee – elenco: Sol Kyung-gu, Moon So-ri, Kim Yeo-jin
O filme conta em flashback a história do suicida Kim Yong-ho e o que o levou a tomar essa decisão.

“O GRANDE CHEFE”
(Sik-gaek, Coreia do Sul, 2007, cor, 113min)
direção: Yun-su Jeon – elenco: Kang-woo Kim, Won-hie Lim, Ha-na Lee
Uma jovem chef abandona a profissão depois que sua participação em um concurso de um restaurante famoso termina em tragédia. Mas uma competição culinária nacional lhe oferece a chance de assumir o cargo de um ex-rival e ela embarca em uma jornada que mudará para sempre sua visão do mundo.

“SOL SECRETO”
(Miryang, Coreia do Sul, 2007, 142min)
direção: Chang-dong Lee – elenco: Do-yeon Jeon, Kang-ho Song, Yeong-jin Jo
Sin-ae muda-se com seu filho para a cidade natal de seu falecido marido. Enquanto ela tenta se estabelecer, outro acontecimento trágico muda sua vida.

“PUNHOS QUE CHORAM”
(Jumeogi Unda, Coreia do Sul, 2009, 103min)
direção: Ryoo Seung-wan – elenco: Choi Min-Sik, Ryoo Seung-Bum, Im Won-Hee, Cheon Ho-Jin
Dois homens fracassados têm a chance de se redimir por meio do esporte.

“SEM FÔLEGO”
(Ddongpari, Coreia do Sul, 2009, cor, 130min)
direção: Yang Ik-Joon – elenco: Yang Ik-Joon, Kot-bi Kim, Man-shik Jeong
O bandido Hong-Soon conhece a estudante Han Yeon-Heui, que finge ser de boa família, mas na verdade é vítima de seu pai e de seu irmão. Ambos têm problemas com o passado e com a violenta realidade do presente.

http://www.centrocultural.sp.gov.br/programacao_cinema.asp#coreia